A Nogueira-pecã

      A nogueira-pecã (Carya illinoensis (Wang.) pertence a família Junglandaceae. É árvore de folhas caducas, que pode atingir grande porte, superando os 40 metros de altura, 40 metros de diâmetro de copa e 20 metros de circunferência de tronco. A longevidade pode superar os 200 anos, havendo quem diga que existem nogueiras nativas milenares.

        A nogueira-pecã é monóica, com flores masculinas e femininas separadas. Suas flores são dióicas, sendo a feminina apétala, com um perigônio escamoso, muito insignificante; as flores masculinas não tem perigônio, formando amentílhos.
         O fruto é uma drupa, agrupando-se em cachos com, normalmente, de três a sete unidades, com epicarpo que separa-se do fruto, na maturação. A parte aproveitável apresenta-se entre 40 e 60 % do fruto.
        As folhas são imparipenadas com 9 a 17 folíolos, durando apenas uma estação, que vai de setembro até maio.
        A nogueira-pecã cresce desde o período Cenozóico em uma vasta área dos Estados Unidos e do México. É nativa de matas em margens de rios, desde o Nebraska e Iowa, nos Estados Unidos, até Ouaxaca, no Sul do México.
         Onderdonk, em 1908, escreveu que havia visto pecan nativa no Sul do México, na latitude 19 N. Esta informação foi confirmada por Duarte, que cita 14 estados mexicanos como tendo pecans nativas e cultivadas. Wood e Payne definem como latitude extrema para o Norte 42º 20´ (Iowa – EUA) e para o Sul, 16º 30´, Sul do México. Esses mesmos autores falam da produção da pecan em altitudes superiores a 2.000 m, no México, mesmo sendo nativa de terras baixas.
      Os indígenas usavam a pecã como alimento "in natura" e como ingrediente de bebidas, sopas, bolos com cereais e outros pratos. A "powcohicoria" era um alimento preparado com pecans amaçadas em pedras e adição de água. A fermentação destas "sopas" de pecã geravam bebidas intoxicantes, muito populares nos festivais tribais.
        De "powcohicoria" derivou-se Hicoria pecan, denominação científica da nogueira-pecã aceita até algum tempo. A denominação atual mais aceita é [Carya illinoensis (Wang.) Koch]. Wood & Payne (1991) apresentam a planta como [Carya illinoinensis (Wangenh.) C.Koch].